Como funciona a venda ou aluguel de imóveis tombados?

Como funciona a venda ou aluguel de imóveis tombados?

Existem muitos mitos relacionados a compra e venda de imóveis tombados. Quem nunca ouviu falar que o proprietário, quando possui um imóvel que acaba sendo tombado, perde os direitos sobre esse ele? Isso não é verdade, mas acaba virando uma espécie de lenda que deixa administradores de imóveis com o pé atrás. Essa e outras inverdades acabam criando uma mística que atrapalha as relações comerciais envolvendo os imóveis tombados. É fato que os proprietários e locadores desse tipo de imóvel possuem alguns deveres, mas existem também algumas vantagens, como veremos a seguir.

Antes de tudo, o que é um imóvel tombado?

De forma bem resumida, o poder público, seja na esfera municipal, estadual ou federal, considera que determinado imóvel é um bem que precisa ser resguardado, pois possui algum valor histórico, cultural ou paisagístico para a sociedade. Ou seja, o tombamento existe para que determinados imóveis, que possuem algum valor para a sociedade, sejam preservados.

Um bom exemplo é um casarão histórico que persistiu em uma região da cidade que se tornou altamente comercial, com inúmeros prédios nas redondezas. Se o casarão for tombado, ele não poderá ser demolido, dando espaço para a construção de um outro prédio comercial. Além disso, esse casarão ainda precisará ser mantido e conservado.

Hoje, o órgão mais atuante no tombamento de imóveis é o IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico Artístico Nacional. Ele está na alocado na esfera federal e possui uma série de normas e diretrizes que caracterizam se um imóvel deve ou não ser tombado. Além do IPHAN, existem outros órgãos municipais e estaduais, que podem ser mais ou menos atuantes na questão. O Conpresp, do município de São Paulo, é um exemplo de órgão municipal bem atuante.

Mas o que o tombamento muda nas relações comerciais de venda e aluguel?

Diferente do que muita gente imagina, um imóvel tombado não se torna propriedade do governo. O proprietário do imóvel não perde o seu direito à propriedade nem o locador tem o contrato imediatamente revisto. Ou seja, mesmo tombado, o imóvel pode ser vendido, comprado e alugado.

Outro ponto importante é que o tombamento não impede que o imóvel se torne um ponto comercial, também não impede que a atividade que já era exercida ali continue ocorrendo. Contudo, existem algumas regras especiais que envolvem a conservação desse imóvel.

Os deveres do proprietário ou locador

O imóvel tombado deve ter as suas características mantidas. Na prática, isso significa que a fachada não pode ser alterada. Reformas e modernizações de infraestrutura podem ser realizadas, mas é preciso que o órgão responsável pelo tombamento seja notificado e conceda a autorização. Além disso, proprietários e locadores estão sujeitos à inspeções desses órgãos, que vão conferir se o imóvel está sendo conservado de acordo com as regras.

As vantagens que um imóvel tombado oferece

Usando o mesmo exemplo do casarão que descrevemos acima. Naquele bairro altamente comercial, rodeado de prédios, o casarão por si só é um diferencial para o negócio. Outro ponto importante é a isenção de IPTU. Via de regra, com exceção de alguns poucos municípios, imóveis tombados possuem isenção total do imposto municipal, que em alguns casos pode ser mais caro que o próprio aluguel. Não ter que se preocupar com o IPTU, nem com eventuais revisões (aumento) do imposto é uma excelente perspectiva.

Gostou das dicas do texto? Compartilhe com outros administradores e gestores. Não deixe de conferir o nosso site para ver mais conteúdo sobre mercado imobiliário.

4 comments

Eliane

Não vejo vantagens em ter um imóvel tombado em muitos casos, pois a manutenção de um prédio pode ser bem maior que o IPTU. Na verdade o proprietário não dispõe mais da sua propriedade como de fato deveria.

Mário Corrêa da Fonseca Filho

Não existe vantagem alguma para o proprietário do imóvel tombado. Passou a ser um mico. Um imóvel de minha esposa foi tombado. Não vejo valor histórico nenhum. Provavelmente pressão de vizinhos que não queriam ver um prédio na região. Pura violência sem contrapartida alguma fora a burocracia de órgãos quando se precisa fazer uma pequena reforma. Quem paga esse tempo e esforço perdido? Estes órgãos deveriam se preocupar com a degradação das praças, monumentos, museus e a cidade em si. Ande no centro de São Paulo e veja a degradação por que passou.

Natani

Só serve para dar dor de cabeça
Aluguei uma sala comercial em um edifício tomabado, antes de fazer o projeto de placa fui no departamento cultural pedir todas as instruções necessárias para a mesma, fiz o projeto e levei para aprovarem e ficam só enrolando dizendo que é ao contrário do que eles mesmos escreveram no documento que me passaram , nunca encontra uma pessoa que saiba informar corretamente as regras, só tem pessoas perdidas la dentro fazendo a gente perder tempo por que nao sabem informar nada.

Gerson jose robert

O Estado quer tombar um imovel?
entao que indenize o proprietário;
tem que ter uma legislação mais justa neste sentido.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ANAPRO 2018 | Todos os direitos reservados